Minha vida de AuPair na Holanda (parte 1)

Você sabe como é ser AuPair em outro país? Não? Então confere o relato da Ana (@clareares), uma amiga nossa que foi realizar essa experiência na Holanda! 
"Quando me perguntam sobre o meu trabalho fora do país, a primeira coisa que querem saber é: “que legal, deu pra juntar um bom dinheiro?’’ Não! Mas por que?

É quase impossível, além de não ser o foco da menina que decide ser AuPair na Holanda, já que o "salário" é de 350 euros por mês. Esta ajuda de custo não é considerada um salário. 

Talvez você também não saiba que há uma grande diferença entre ser AuPair nos Estados Unidos e na  Europa. Enquanto nos Eua você recebe 800 doláres por mês, compra  Iphone, roupas, anda de carro SUV (e ainda guarda dinheiro se estiver afim), cuida apenas das crianças. Na Europa você é uma governanta, e além de cuidar das crianças também é responsável pela limpeza da casa e roupas, alimentação (ir no mercado, cozinhar, lavar louças). Então por qual motivo alguém escolhe trabalhar mais por menos?

Vou ser sincera: meu objetivo inicial era a possibilidade de poder viajar pela Europa. Ir para Barcelona com a Ryanair (companhia aérea) por 9 euros ou terminar seu trabalho, pegar um ônibus e acordar em Paris – o que não aconteceria se eu fosse para a América do Norte - foi essencial para tomar uma decisão. 


Minha experiência como AuPair foi um pouco diferente de outros relatos que você possa encontrar no Google. Não morei em Amsterdam ou Rotterdam, as cidades mais populosas e conhecidas da Holanda. Minha casa era em Gewande, um vilarejo com 40 casas à beira do rio Mosa, na cidade de ‘s-Hertogenbosch, Noordbraband. Encontrei minha familia pelo AuPair World, e é claro que pode ser um pouco arriscado, mas como dizem ‘’wie niet waagt wie niet wint’’ (quem não arrisca não petisca; vocês acreditam que eles também usam esse ditado?).


Após o contato com a familia via skype e ambos concordarem com o programa, é obrigatório fechar com uma agência. Eu escolhi a HBN para resolver a papelada do visto.  A equipe conta com duas agentes brasileiras, a Nadja e Aluá, super atenciosas e que te ajudam em tudo online. Você precisa saber inglês no mínimo intermediário e o holandês você aprende no dia-a-dia. Mas se você não sabe nada e quer fazer este intercâmbio para melhorar seu inglês, aconselho que vá para os Estados Unidos!


Eu não tinha nenhuma amiga/conhecida AuPair, não combinava viagens em grupos e me envolvi totalmente com as minhas crianças e a cultura holandesa. A maioria das meninas AuPairs se sentem sozinhas após o trabalho ou nos dias de folga, não fazem muitos amigos, mas por sorte, na fazenda, além de ser minha casa, era também uma empresa, ou seja, existiam várias pessoas trabalhando por lá, inclusive de outras nacionalidades: Portugal, Áustria, Nova Zelândia... Depois que acabava o meu horário de trabalho, sempre tinha alguém para conversar, beber uma cerveja ou ficar ouvindo música!"
​E essa foi a primeira parte do post escrito pela Ana! Gostaram? 
Se tiver alguma dúvida, comenta aqui embaixo pra Ana responder ;)

Ah, amanhã sai a segunda parte do post!
Beijos

Um comentário:

  1. Gostei muito do seu relato, quero muito fazer um intercambio na Holanda pelo mesmo motivo que você poder conhecer os países perto por um custo baixo, fiquei interessada na possibilidade de ser AuPair.

    Bjos Josi
    www.singularidades.blog.br

    ResponderExcluir

Tecnologia do Blogger.